A GARRa acredita que a luta das mulheres lésbicas é uma luta de todas as mulheres! Somente através da criação de laços profundos, de admiração, de empatia, de compaixão, de AFETO entre mulheres que conseguiremos nos unir, nos organizar, estudar e lutar!

O mês de agosto de 2020 evidenciou que a lesbofobia ainda é forte dentro do movimento feminista e LGBT, mulheres lésbicas que estão ocupando as redes sociais foram atacadas por dizerem que amam mulheres, dois exemplos:

_ Uma mulher artista foi exposta e perdeu o emprego por falar algo tão simples e direto como: “uma mulher lésbica não femininilizada não é um homem trans”.

_Gisela dona de um bar no RJ, o Resiliência, sofreu ataques lesbofóbicos por dizer que ela queria um espaço onde as mulheres, e em especial as lésbicas, pudessem conversar!

Nenhuma dessas mulheres são fóbicas, espaços exclusivos não são sinônimo de espaços excludentes, ter orgulho de ser lésbica não é uma afronta a identidades diversas, elas são mulheres lésbicas que tem o direito de expressarem o amor que sentem e de estar com quem quiserem.

Esses ataques mostram que nós, feministas radicais, precisamos nos organizar e lutar pelos espaços exclusivos para mulheres, lutar pelos espaços políticos das lésbicas. A construção da caminhadas das lésbicas em BH é feita para fortalecer as lésbicas enquanto mulheres políticas, mas também para criar espaços de socialização que sejam seguros e criados pelas lésbicas.

Os movimentos tentam apagar a luta lésbica, chamando de “mulheres gays”, “mulheres LGBT”, “Identidade L”, “mulheres sáficas”, CHEGA DESSE APAGAMENTO!

A palavra para definir as mulheres que se relacionam com outras mulheres é Lésbica! Novamente temos que afirmar ano após ano: “Não somos ‘diversidade’, NÓS somos a RESISTÊNCIA!”

Fazemos um chamado às feministas radicais héterossexuais, o lugar de vocês também é na luta contra a lesbofobia e ajudando a construir esses espaços seguros para as companheiras.

Para nós da GARRa a frase que ainda é a mais representativa dos nosso sentimento pela luta da visibilidade lésbica sempre será: O amor entra as mulheres muda o mundo!